sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

COLABORE COM O JÓIAS DA MÚSICA

COLABORE COM O JÓIAS DA MÚSICA


Como ajudar o "Jóias da Música" a continuar ativo.

Ajude o Jóias da Música  a permanecer no ar fazendo uma doação. Sua ajuda é muito importante para continuarmos garimpando  o melhor da música de todos os Gêneros, Gostos e Gerações. 

Você pode doar via PagSeguro ou via depósito bancário.


Doar via PagSeguro 

Para fazer sua doação via PagSeguro  basta clicar no botão abaixo. 






Você será direcionado ao PagSeguro onde pode fazer sua doação com toda segurança e com várias  opções como depósito e boleto bancário, por exemplo.

 Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!


Doar via Depósito:




Para doar via depósito, envie um email para: joias.musica@gmail.com solicitando os dados bancários. 
Se preferir solicitar os dados bancários via formulário de contato, clique AQUI
Colaborar com material musical:

Se você quiser enviar algum arquivo musical para o blog, o endereço de email é o mesmo: joias.musica@gmail.com os arquivos podem ser em qualquer formato, desde que contenham capa, e estejam fora de catálogo, ou proveniente de produção independente, e claro, deixe seu nome para o crédito ser dado devidamente.  


*Desde já agradecemos!

Titãs - Biografia

Titãs - Biografia


Titãs é uma banda de rock brasileira formada em São Paulo na década de 1980, uma das mais bem-sucedidas comercialmente e influentes no Brasil dos últimos 30 anos, ao lado de Legião Urbana, Os Paralamas do Sucesso e Barão Vermelho. Entre suas músicas mais famosas estão Sonífera Ilha, Flores, Diversão, Bichos Escrotos, Polícia, Comida, Marvin, Epitáfio e Porque eu sei que é amor.

No fim dos anos 70, em plena ditadura militar, um colégio em São Paulo se tornou um dos poucos pontos de resistência cultural. No palco do Equipe se apresentavam artistas de peso da música brasileira como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Clementina de Jesus e Cartola. Com essa efervescência, foi natural que os jovens com interesses artísticos acabassem se aproximando e criando espaços próprios. O evento “A Idade da Pedra Jovem”, promovido por essa turma em 1981, marcou a estréia de Sérgio Britto, Arnaldo Antunes, Paulo Miklos, Marcelo Fromer, Nando Reis, Ciro Pessoa e Tony Bellotto num mesmo palco. Juntos, eles formavam o grupo Titãs do Iê-Iê, uma brincadeira para descontrair uma programação apresentada por gente com mais experiência do que aqueles meninos.

O que era para ser apenas diversão começou a ser encarado mais seriamente no ano seguinte. A estréia oficial dos Titãs do Iê-Iê, devidamente ensaiados e com repertório próprio, aconteceria no dia 15 de outubro de 1982, no Sesc Pompéia. A essa altura, Branco Mello já havia se integrado ao grupo e André Jung, assumido a bateria, instrumento que Nando Reis tocara na “Idade da Pedra Jovem” por pura falta de opção. Com nove músicos no palco, entre eles seis vocalistas, a banda chamava a atenção. As canções eram criativas (misturavam influências que iam da MPB ao rock, passando pelo samba, reggae e new wave) e o visual, extravagante (com direito a roupas com cores fortes, maquiagens e penteados originais).

Durante dois anos, os Titãs do Iê-Iê percorreram o circuito underground paulista, se apresentando em lugares tão ecléticos quanto o som que mostravam no palco. Não demorou muito para que a performance do noneto despertasse a atenção de uma gravadora. Mas antes da assinatura do contrato com a WEA, ocorreram duas mudanças: Ciro Pessoa se desligou da banda e o Iê-Iê (que sempre era confundido com Iê-Iê-Iê) foi descartado do nome do grupo. O primeiro álbum, “Titãs”, foi lançado em agosto de 1984 e trazia “Sonífera Ilha”, um verdadeiro fenômeno radiofônico. Uma das músicas mais executadas naquele ano, a faixa levou os Titãs a fazerem sucesso em outros estados do Brasil, além de ter ajudado a banda a realizar um sonho antigo: aparecer na TV, em programas consagrados apresentados por Chacrinha, Bolinha e Raul Gil.

O grupo começou 1985 com um novo baterista. Charles Gavin assumiu as baquetas no lugar de André Jung. Com a nova formação, os Titãs entraram em estúdio para gravar seu segundo LP. “Televisão”, produzido por Lulu Santos, chegou às lojas em junho daquele ano e emplacou os hits “Insensível” e “Televisão”. Como aconteceu no primeiro disco, as vendas foram modestas, mas isso não seria a pior lembrança que a banda guardaria deste período. No dia 13 de novembro, Tony Bellotto e Arnaldo Antunes foram presos com heroína. Arnaldo passou 26 dias na prisão e ambos foram condenados. O cantor por tráfico (por ter passado heroína para o guitarrista), e Bellotto, por porte de droga. Sem antecedentes criminais e trabalho declarado, cumpriram a pena em liberdade.

Os Titãs deram a volta por cima no disco seguinte. “Cabeça Dinossauro”, lançado em junho de 1986, foi um soco no estômago da hipocrisia com suas letras contundentes. O álbum, que marcava a estréia da parceria com o produtor Liminha, pela primeira vez traduzia no vinil a pegada que a banda tinha ao vivo. Os Titãs puderam sentir a força do LP já no show de estréia no Projeto SP, quando o público cantou todas as músicas, numa época em que as rádios ainda se recusavam a tocar o repertório ousado do disco. O álbum já tinha garantido o primeiro disco de ouro dos Titãs, quando as emissoras se renderam. Além de “Aa Uu”, “O Quê”, “Homem Primata”, “Família” e “Polícia”, algumas rádios se davam ao luxo de pagar multa para tocar “Bichos Escrotos”, que tinha a radiodifusão proibida pela censura. “Cabeça Dinossauro” bateu a marca das 300 mil cópias vendidas e caiu nas graças da crítica. O disco ficou no topo das principais listas dos melhores daquele ano e até hoje é apontado com um dos mais importantes da história do rock brasileiro.

Em novembro de 1987, “Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas” saía do forno superando todas as expectativas. De um lado do disco, a continuação do rock pesado do “Cabeça”, em músicas como “Lugar Nenhum”, “Desordem” e “Nome aos Bois”. Do outro, mais inovação: o sampler, uma novidade naqueles tempos, dava um tom eletrônico a “Todo Mundo Quer Amor”, “Comida” e “Corações e Mentes”. A banda ousou novamente ao decidir fazer o show de lançamento do novo álbum em pleno Hollywood Rock de 1988. Valeu a pena correr o risco. A apresentação dos Titãs foi eleita pela crítica especializada a melhor de todo o festival, superando Simple Minds, UB40, Pretender, Simply Red e outros medalhões estrangeiros.

Com o Brasil aos seus pés, o grupo partiu para a estréia internacional. Os Titãs foram os primeiros artistas do país a se apresentarem na Noite de Rock do badalado Festival de Jazz de Montreux. Do show, no dia 8 de julho de 1988, eles trouxeram o LP “Go Back”, o primeiro ao vivo da carreira da banda. De volta ao Brasil, a banda viveu uma fase áurea, com shows superlotados e o quinto álbum – que misturava canções dos primeiros LPs a sucessos do “Cabeça e do “Jesus” – nas listas dos mais vendidos. “Marvin”, originalmente gravada no primeiro disco, virou um sucesso avassalador nas rádios no fim de 88 e em todo o ano de 89.
Em outubro de 1989, os Titãs lançaram seu disco mais sofisticado até então. “Õ Blesq Blom” reunia a simplicidade dos repentistas Mauro e Quitéria, descobertos pelo grupo na Praia da Boa Viagem, à modernidade das parafernálias eletrônicas de estúdio. Foi da dupla nordestina que os Titãs tiraram o nome do LP que transformou em hits “Flores”, “Miséria” e “O Pulso”. Com o clipe de “Flores”, a banda ganhou ainda um prêmio inédito no país: o MTV Video Music Awards, quando a emissora ainda não tinha sua filial brasileira.

Depois de um disco tão elaborado, os Titãs começaram a sentir falta do bom e velho rock’n’roll. E o disco “Tudo Ao Mesmo Tempo Agora”, que chegou às lojas em setembro de 1991, serviu para matar essa saudade. A banda levou ao extremo a volta ao estilo roqueiro: alugou uma casa para as gravações e decidiu se auto-produzir, interrompendo a parceria com Liminha. Com músicas com letras polêmicas – algumas escatológicas – e guitarras distorcidas, o disco mudou a cara dos Titãs. “Será Que É Isso Que Eu Necessito?” garantiu para a banda mais um Video Music Awards da MTV, que tinha chegado ao Brasil em outubro de 1990.

Os Titãs não abandonaram o rock pesado no trabalho seguinte. “Titanomaquia”, primeiro álbum da banda sem Arnaldo Antunes – que deixou o grupo para se dedicar à carreira solo –, teve como ingrediente a mais a produção de Jack Endino, responsável por discos da turma grunge, como Nirvana, Mudhoney e Tad. Jack foi importado de Seattle exclusivamente para ajudar os Titãs a darem um acabamento melhor ao som agressivo que queriam fazer naquela fase. O oitavo álbum da banda, lançado em julho de 1993, emplacou “Será Que É Isso Que Eu Necessito?” e “Nem Sempre Se Pode Ser Deus”.

No segundo semestre de 1994, ao fim da turnê de “Titanomaquia”, os Titãs decidiram pela primeira vez tirar um ano de férias para que cada um pudesse tocar seus projetos paralelos. Paulo Miklos e Nando Reis lançaram discos solos, Tony Bellotto escreveu seu primeiro livro, Marcelo Fromer produziu outros músicos e Charles Gavin passou um período em Londres fazendo curso de produção. Os Titãs, porém, não ficaram muito tempo longe um do outro. Nessa época eles fundaram, em parceria com a WEA, o selo Banguela, responsável pelo lançamento de bandas como Raimundos, mundolivre s/a e Maskavo Roots, entre outras. Sérgio Britto e Branco Mello, além de donos, viraram artistas do selo. Eles montaram, com a baterista Roberta Parisi, a banda Kleiderman e gravaram o CD “Con el Mundo a Mis Pies”.

A folga acabou em 95, com o lançamento do álbum. “Domingo”. O segundo trabalho do grupo com Jack Endino, veio bem mais pop do que os dois trabalhos anteriores e contou com participações especiais de Herbert Vianna, João Barone, Andreas Kisser e Igor Cavalera. “Domingo” foi disco de ouro e emplacou nas rádios a faixa-título e “Eu Não Agüento”, da Banda Tiroteio, a primeira canção gravada pelos Titãs que não foi composta por um dos músicos do grupo.

Na comemoração dos 15 anos de carreira da banda, os Titãs lançaram mais um disco histórico. O “Acústico MTV”, gravado em março de 1997 no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, vendeu mais de 1,7 milhão de cópias, batendo todos os recordes do formato. Além de músicas antigas que ganharam arranjos novos, o CD trazia as inéditas “Os Cegos do Castelo”, “Nem 5 Minutos Guardados”, “A Melhor Forma” e “Não Vou Lutar”. O “Acústico” contou com participações especiais de Rita Lee (“Televisão”), Marisa Monte (“Flores”), Jimmy Cliff (“Querem Meu Sangue”), Fito Paez (“Go Back”), Marina Lima (“Cabeça Dinossauro”) e Arnaldo Antunes (“O Pulso”). “Pra Dizer Adeus”, originalmente gravada em “Televisão”, se tornou um sucesso instantâneo e uma das músicas mais executadas em rádio naquele ano.

Depois de fazerem mais de 300 shows pelo Brasil acompanhados de orquestra, os Titãs decidiram repetir a dose no álbum seguinte. “Volume 2”, lançado em outubro de 1998, trazia mais músicas antigas com arranjos acústicos (e semi-acústicos), mas também outras novidades. Além da música de trabalho “É Preciso Saber Viver”, uma regravação de Roberto Carlos, o álbum tinha seis canções inéditas. O “Volume Dois” não foi uma continuação do “Acústico” apenas no estilo: o sucesso se repetiu, com mais de 600 mil copias vendidas.

No ano seguinte, os Titãs decidiram homenagear alguns de seus artistas preferidos. Roberto Carlos, Ultraje a Rigor e Tim Maia, entre outros, foram lembrados no CD “As Dez Mais”. A versão de “Pelados em Santos”, dos Mamonas Assassinas, foi criticada por alguns, mas muito executada nas rádios. “Aluga-se”, de Raul Seixas, não só fez sucesso, como foi incorporada ao repertório, e ficou quase imutável no setlist, dos shows da banda.

Em 2000, os Titãs fizeram uma nova parada para investir em suas carreiras solos. Nando Reis lançou o seu segundo disco, “Para Quando o Arco-Íris Encontrar o Pote de Ouro”, e Sérgio Britto gravou o álbum “A Minha Cara”. Branco Mello encabeçou a banda S. Futurismo, com a qual se apresentou na Tenda Brasil do Rock in Rio 3. Nando Reis também se apresentou neste palco. No ano seguinte, foi a vez de Paulo Miklos preparar seu segundo CD, “Vou Ser Feliz e Já Volto”.

Em 2001, os Titãs sofrem um golpe duro. Em 11 de junho, um dia antes de a banda entrar em estúdio para gravar o 13† álbum da carreira, o guitarrista Marcelo Fromer foi atropelado por uma moto em São Paulo e morreu dois dias depois. Gravar o disco passou a ser um desafio que os Titãs encararam em homenagem a Marcelo e à própria história do grupo que ele ajudou a fundar. “A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana”, o primeiro álbum só de inéditas depois de quatro anos, chegou às lojas em outubro em clima de grande expectativa. Com a veia rock’n’roll mais uma vez ativada, o grupo estreou em uma gravadora nova, a Abril Music. O CD conquistou crítica, público e transformou a canção “Epitáfio” num grande sucesso no rádio e na TV.

Nos quase dois anos que durou a turnê de “A melhor banda”, os Titãs voltaram a mostrar que sua força estava na estrada: a banda fez um total de 180 shows, percorrendo cada canto do país. Justamente no meio da turnê, em setembro de 2002, Nando Reis resolveu deixar o grupo. Para o seu lugar, foi convocado para tocar nos shows e nas gravações Lee Marcucci, um dos melhores baixistas do Brasil, que já tinha acompanhado Rita Lee e outros craques da música brasileira. Lee se integraria ao grupo e a Emerson Villani, guitarrista que desde a morte de Fromer também participava das turnês e das gravações dos Titãs.

Para completar 2002, em que a banda festejava seus 20 anos, entrou no ar o novo site da banda (titas.net), em que a marca registrada é a permanente interatividade entre os fãs e os cinco integrantes do grupo, e chegou às livrarias a biografia “A vida até parece uma festa - Toda a história dos Titãs”.

Em novembro de 2003, os Titãs lançam seu 14` CD, “Como estão vocês?”, que traz de volta uma dobradinha que deu certo: Liminha assina a produção. Com um som bem rock`n roll, que consagrou o grupo, os Titãs emplacam de cara nas rádios “Eu não sou um bom lugar” e tem “Enquanto houver sol” incluída na trilha sonora da novela “Celebridade”. O fim do ano ainda traz um mimo: É lançado o songbook “Titãs - Todas as canções”, reunindo a obra completa da banda, cifradas e com fotos inéditas, numa obra luxuosa e inigualável no Brasil, coroando os 21 anos de carreira da banda.

Texto: Site Oficial

Integrantes:

Formação atual

Branco Mello - vocal e baixo
Paulo Miklos - vocal, guitarra e saxofone
Sérgio Britto - vocal, teclado, e baixo
Tony Bellotto – guitarra

Músico de apoio

Mario Fabre - bateria (2010-presente)

Ex-integrantes

Ciro Pessoa - vocal (1982 – 1983)
André Jung - bateria (1982 – 1984)
Arnaldo Antunes - vocal (1982 – 1992)
Marcelo Fromer - guitarra (1982 – 2001)
Nando Reis - vocal e baixo (1982 – 2002)
Charles Gavin - bateria e percussão (1985 – 2010)

Titãs - Warner 30 Anos (2006)

Titãs - Warner 30 Anos (2006)


01. Aluga-se
02. Igreja
03. Eu Não Agüento
04. Todo Mundo Quer Amor
05. Cegos do Castelo
06. Eu e Ela
07. Marvin (Patches)
08. Querem Meu Sangue
09. Não Vou Me Adaptar
10. Fuga Nº 2
11. Sua Impossível Chance
12. Ciúme
13. O Que
14. O Homem Cinza

Titãs - Nheengatu (2014)

Titãs - Nheengatu (2014)


01. Fardado
02. Mensageiro da Desgraça
03. República dos Bananas
04. Fala, Renata
05. Cadáver Sobre Cadáver
06. Canalha
07. Pedofilia
08. Chegada ao Brasil
09. Eu Me Sinto Bem
10. Flores Para Ela
11. Não Pode
12. Senhor
13. Baião de Dois
14. Quem São os Animais?

Titãs - Cabeça Dinossauro Ao Vivo (2012)

Titãs - Cabeça Dinossauro Ao Vivo (2012) 


01. Cabeça Dinossauro
02. AA UU
03. Igreja
04. Polícia
05. Estado Violência
06. A Face do Destruidor
07. Porrada
08. Tô Cansado
09. Bichos Escrotos
10. Família
11. Homem Primata
12. Dívidas
13. O Quê

Titãs - Titãs + Xutos & Pontapés - Ao Vivo no Rock in Rio 4, 2011 (2012)

Titãs - Titãs + Xutos & Pontapés - Ao Vivo no Rock in Rio 4, 2011 (2012)


01. Diversão
02. Dados Viciados
03. Polícia
04. A Minha Maneira
05. Não Sou o Único
06. Bichos Escrotos
07. Porrada
08. Vossa Excelência
09. Para Ti Maria
10. Alta Rotação
11. Cabeça Dinossauro
12. Aluga-se/A Minha Casinha
13. Flores
14. Lugar Nenhum
15. AA UU

Paulo Miklos - Biografia

Paulo Miklos - Biografia


Paulo Roberto de Souza Miklos (São Paulo, 21 de janeiro de 1959) é um músico, ator e apresentador de televisão brasileiro, ex-vocalista da banda de rock Titãs. Em 2001 iniciou a carreira de ator. Em 2011, iniciou a carreira de apresentador de televisão, apresentando o "Paulo Miklos Show" na MixTV, entre 2012 e 2013.


Carreira como músico

Seu primeiro contato com a música veio na infância, quando os pais lhe deram um piano e sua avó lhe deu uma flauta doce. Estudou também o piano. Em 1979, participou como arranjador de um festival da extinta TV Tupi, no qual também se apresentaram Arrigo Barnabé e Walter Franco. Chegou a cursar música na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Sem se sentir parte daquele universo de estudantes de conservatório que praticavam desde os seis anos de idade, ele passou um ano visitando a fitoteca da faculdade e copiando seus conteúdos. Também chegou a estudar filosofia na PUC-SP e psicologia em Mogi Mirim.


Com os Titãs

Nos Titãs, Paulo cantava, tocava guitarra e ocasionalmente teclado e saxofone. No dia 11 de julho de 2016, anunciou seu desligamento da banda, com a intenção de se dedicar a projetos individuais. Na época, prometeu percorrer novos caminhos como compositor e intérprete, assim como na carreira de ator.


Solo

Em sua carreira solo, lançou dois álbuns. O primeiro, de 1994, leva seu nome e foi totalmente escrito, composto e produzido por ele mesmo. Até agosto de 1997, havia vendido 7,8 mil cópias. O segundo, Vou Ser Feliz e Já Volto (2001), traz o músico na capa com os cabelos loiros em um ensaio fotográfico em Nova Iorque, onde vivenciou excessos com drogas e álcool. Paulo o descreveu da seguinte forma:

“É um disco escapista. É justamente a brincadeira da tabuleta 'Volto já'. Era um pouco isso, de estar muito imerso na coisa do tédio, do cotidiano, da mesmice. Eu talvez estivesse no auge do momento de estar escapando de tudo e usando todos os artifícios possíveis para estar vivendo uma realidade paralela, explorando as portas da percepção escancaradas.”

Em 2014, ele e a vocalista do Pato Fu Fernanda Takai cantaram a canção "Mostra Tua Força Brasil", composta por Jair Oliveira e dirigida por Simoninha; o trabalho foi para uma campanha do Itaú Unibanco para a Copa do Mundo FIFA de 2014 no Brasil.

Em 2015, participou da canção "Trono de Estudar", composta por Dani Black em apoio aos estudantes que se articularam contra o projeto de reorganização escolar do governo estadual de São Paulo. A faixa teve a participação de outros 17 artistas brasileiros: Chico Buarque, Arnaldo Antunes (seu ex-companheiro de Titãs), Tiê, Dado Villa-Lobos (Legião Urbana), Tiago Iorc, Lucas Silveira (Fresno), Filipe Catto, Zélia Duncan, Pedro Luís (Pedro Luís & A Parede), Fernando Anitelli (O Teatro Mágico), André Whoong, Lucas Santtana, Miranda Kassin, Tetê Espíndola, Helio Flanders (Vanguart), Felipe Roseno e Xuxa Levy.

Em 2016, logo após sair dos Titãs, começou a trabalhar em seu terceiro disco solo, que está em fase de produção. Em junho de 2017, informou que o trabalho terá produção de Pupillo (Nação Zumbi), direção musical do jornalista e pesquisador Marcus Preto e diversas parcerias, incluindo Emicida, Dadi Carvalho, Erasmo Carlos em "País Elétrico", Guilherme Arantes em "Estou Pronto" e Russo Passapusso (BaianaSystem) em "Vigia". Seus ex-companheiros de Titãs Arnaldo Antunes e Nando Reis também foram convidados, mas suas participações ainda não foram confirmadas.

Em julho de 2017, foi anunciado que o álbum se chamará A Gente Mora no Agora e será lançado em agosto do mesmo ano, com um show de lançamento marcado para o dia 17 em São Paulo. O primeiro single, "A Lei Desse Troço", também foi divulgado na época. Trata-se de uma parceria com Emicida com arranjos de Letieres Leite. Em 28 de julho, divulgou outra faixa, "Vou te Encontrar", escrita por Nando Reis, outro ex-membro dos Titãs. (Texto: Wikipédia)

Paulo Miklos - A Gente Mora No Agora (2017)

Paulo Miklos - A Gente Mora No Agora (2017)


01. A Lei Desse Troço
02. Vigia
03. Risco Azul
04. Vou Te Encontrar
05. Todo Grande Amor
06. País Elétrico
07. Estou Pronto
08. Não Posso Mais
09. Principio Ativo
10. Afeto Manifesto
11. Samba Bomba
12. Deixar de Ser Alguém
13. Eu Vou

Paulo Miklos - Vou Ser Feliz e Já Volto (2001)

Paulo Miklos - Vou Ser Feliz e Já Volto (2001)


01. Vai Acontecer de Novo
02. Mamãe Disse... Papai Disse...
03. Todo O Tempo
04. O Que Você Me Diz?
05. Hoje
06. Por Querer
07. Lâmina De Vidro
08. Orgia
09. Sem Amor
10. Sinos Entre Os Anjos
11. O Milagre Do Ladrão

Paulo Miklos - Paulo Miklos (1994)

Paulo Miklos - Paulo Miklos (1994)


01. Iniciação
02. A Mesma Praça
03. De Quem São As Cidades?
04. A Paz é Inútil Para Nós
05. Ele Vai Se Vender
06. Esse é o Lugar
07. Aos 500 Surfistas Rodoviários Mortos
08. Todos Os Motivos
09. Eu Perco Você
10. Abandono
11. Ninguém Se Cansa de Ouvir O Som da Própria Voz

Humberto Gessinger - Biografia

Humberto Gessinger - Biografia


Humberto Gessinger nasceu em 24 de dezembro de 1963, em Porto Alegre, RS.

Em 1985, com colegas da Escola de Arquitetura da UFRGS, montou a banda Engenheiros do Hawaii. O nome fazia uma brincadeira com estudantes de engenharia e surfistas que frequentavam o bar da faculdade.

Os mais de 30 anos de carreira estão materializados em 21 CDs, 7 DVDs e 2 Compactos. O sucesso destes discos lhe rendeu 9 Discos de Ouro, 1 Disco de Platina e 4 DVDs de Ouro.

Ao longo da estrada, foram mais de 2.500 shows por todos os estados brasileiros. A banda também se apresentou em 6 países, entre eles EUA, Japão e a extinta URSS.

Apesar de se considerar, principalmente, um compositor, Humberto é músico autodidata, e, nas várias fases de sua carreira, tocou diversos instrumentos como baixo, guitarra, viola caipira, violão, teclados, bandolim, harmônicas e acordeon.

Ao final da turnê do disco NOVOS HORIZONTES, em 2008, foi anunciada uma pausa por tempo indeterminando nos Engenheiros do Hawaii e Humberto foi para a estrada com o projeto Pouca Vogal, um power duo em parceria com Duca Leindecker. Em 4 anos foram mais de 220 shows em mais de 150 cidades e um CD/DVD gravado ao vivo em Porto Alegre. No final de 2012 o Pouca Vogal encerrou a turnê e Humberto passou a se dedicar a carreira solo.

No final de 2013, Humberto lançou seu 20º álbum e primeiro como artista solo. O disco é o primeiro com músicas inéditas em 10 anos e traz participações especiais de grandes nomes da musica gaúcha como Luis Carlos Borges, Bebeto Alves e Frank Solari. No show, Humberto, tocando baixo, e acompanhado de Tavares nas guitarras e Rafael Bisogno na bateria, apresenta suas novas composições, além dos grandes sucessos e clássicos dos Engenheiros do Hawaii. A turnê já percorreu diversas cidades e atualmente Humberto se prepara para a gravação de seu primeiro DVD solo, com imagens de shows, backstage e algumas músicas filmadas no interior o Rio Grande do Sul.

Paralelamente a seu trabalho como músico, Humberto Gessinger lançou cinco livros: "MEU PEQUENO GREMISTA" fala de sua paixão pelo Grêmio. PRA SER SINCERO reúne autobiografia, 123 letras comentadas e um ensaio escrito pelo professor Luís Augusto Fischer. MAPAS DO ACASO, ao lado de memórias e reflexões divididas em "notas mentais para uma próxima vida", traz 45 letras comentadas. (Texto: Facebook Oficial)

Humberto Gessinger - Louco Pra Ficar Legal (2016) [EP]

Humberto Gessinger - Louco Pra Ficar Legal (2016) [EP]


01. Pra Ficar Legal
02. Faz Parte

Humberto Gessinger - InSULar Ao Vivo (2014)

Humberto Gessinger - InSULar Ao Vivo (2014)


01. Até o Fim
02. Armas Químicas e Poemas
03. Bora
04. Ilex Paraguariensis
05. Surfando Karmas & DNA
06. Eu que não Amo Você
07. Insular
08. Ando Só
09. A Ponte para o Dia
10. Voo do Besouro
11. Deserto Freezer
12. Milonga Orientão
13. Somos quem Podemos Ser
14. De Fé
15. Nuvem
16. 3×4
17. Dançando no Campo Minado
18. Tchau Radar, a Canção
19. Pra ser Sincero
20. Dom Quixote
21. O Exército de Um Homem Só

Humberto Gessinger - InSULar (2013)

Humberto Gessinger - InSULar (2013)


01. Terei Vivido
02. Sua Graça
03. Bora
04. A Ponte Para o Dia (part. de Bebeto Alves)
05. Tchau Radar (part. de Rodrigo Tavares)
06. Tudo Está Parado
07. Recarga (part. de Luis Carlos Borges)
08. Milonga do Xeque-Mate (part. de Frank Solari)
09. Insular
10. Essas Vidas da Gente
11. Segura a Onda Agora, DG (part. de Nico Nicolaiewsky)
12. Plano B

COLABORE COM O JÓIAS DA MÚSICA

COLABORE COM O JÓIAS DA MÚSICA


Como ajudar o "Jóias da Música" a continuar ativo.

Ajude o Jóias da Música  a permanecer no ar fazendo uma doação. Sua ajuda é muito importante para continuarmos garimpando  o melhor da música de todos os Gêneros, Gostos e Gerações. 

Você pode doar via PagSeguro ou via depósito bancário.


Doar via PagSeguro 

Para fazer sua doação via PagSeguro  basta clicar no botão abaixo. 






Você será direcionado ao PagSeguro onde pode fazer sua doação com toda segurança e com várias  opções como depósito e boleto bancário, por exemplo.

 Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!


Doar via Depósito:




Para doar via depósito, envie um email para: joias.musica@gmail.com solicitando os dados bancários. 
Se preferir solicitar os dados bancários via formulário de contato, clique AQUI
Colaborar com material musical:

Se você quiser enviar algum arquivo musical para o blog, o endereço de email é o mesmo: joias.musica@gmail.com os arquivos podem ser em qualquer formato, desde que contenham capa, e estejam fora de catálogo, ou proveniente de produção independente, e claro, deixe seu nome para o crédito ser dado devidamente.  


*Desde já agradecemos!

Sá & Guarabyra - Sá e Guarabyra e Orquestra Sinfônica de Americana SP - Ao Vivo (1999)

Sá & Guarabyra - Sá e Guarabyra e Orquestra Sinfônica de Americana SP - Ao Vivo (1999)


01. Espanhola
02. Dona
03. Caçador de Mim
04. Sobradinho
05. Lembranças do Futuro
06. A longa Noite
07. Quem Saberia Perder
08. Capitão da Meia-Noite
09. Rio-Bahia
10. Harmonia
11. Desenhos no Jornal
12. Foi Um Vento Que Levou

Sá & Guarabyra - Rio-Bahia (1997)

Sá & Guarabyra - Rio-Bahia (1997)


01. Rio-Bahia
02. Solto na Buraqueira
03. A Estrangeira
04. Bela, Bela
05. No Mundo é Assim
06. Coisa Boa
07. Deus Que Socorrei
08. Bati A Porta
09. O baú de Sofia
10. Vou Levando

Sá & Guarabyra - Sá & Guarabyra (1994)

Sá & Guarabyra - Sá & Guarabyra (1994)


01. Duas Vezes Dez
02. Antenas
03. Não te Interessa   
04. Loura Zulu
05. Mais Um
06. Dia Após Dia
07. Maria Terra e Zé Homem
08. Piracema
09. Lá se Vão
10. Frente a Frente

Sá & Guarabyra - Vamos Por Aí (1990)

Sá & Guarabyra - Vamos Por Aí (1990)


01. Ziriguidum Tchan
02. Meu Lar É Onde Estão Meus Sapatos
03. Abre Esta Porta
04. Quintininho E Zé Maria
05. Vamos Por Aí
06. Você Se Lembra
07. Atrás Da Poeira
08. Estrela Natureza
09. Quem Saberia Perder
10. Barulhos

Sá & Guarabyra - Cartas, Canções e Palavras (1987)

Sá & Guarabyra - Cartas, Canções e Palavras (1987)


01. Cartas, Canções E Palavras
02. Barqueiro De Vela
03. O Apito Do Vapor
04. Serena
05. Pés Nos Chão
06. Muge O Boi
07. Parar De Correr
08. Rosto De Atriz
09. Tabuleiro
10. Os Meninos Dos Abrolhos
11. Fazer O Céu

Sá & Guarabyra - Harmonia (1986)

Sá & Guarabyra - Harmonia (1986)


01. Bom Que Dói
02. Dona
03. Roque Santeiro
04. Verdades e Mentiras
05. Lembranças do Futuro
06. Harmonia
07. A Voz do Cantor
08. Penso Demais
09. Me Faça Um Favor
10. Chuva e Sol
11. Tua Casa, Minha Casa

Sá & Guarabyra - O Paraíso Agora (1984)

Sá & Guarabyra - O Paraíso Agora (1984)


01. Capitão da Meia-Noite
02. Cheiro Mineiro de Flor
03. Fogo Caipira
04. A Porta do Farol
05. A Longa Noite
06. Animais Domésticos
07. Quando Provei Teu Doce
08. Minha Companhia
09. Fogo-Pagô
10. Paraíso Agora

Sá & Guarabyra - 10 Anos Juntos (1982)

Sá & Guarabyra - 10 Anos Juntos (1982)


01. Caçador de Mim
02. Espanhola
03. Dona
04. O Jeito de Viver
05. Primeira Canção da Estrada
06. O pó da Estrada
07. Dança o Atrevido
08. O bando na Dança
09. Vem Queimando a Nave Louca
10. Sete Marias
11. Sobradinho

Sá & Guarabyra - Quatro (1979)

Sá & Guarabyra - Quatro (1979)


01. Sete Marias
02. Wonder Woman (Falso Inglês)
03. Peixe Voador
04. Polaca Mineira
05. Pássaro
06. Flora Medicinal
07. Vem Queimando A Nave Louca
08. Alucinante Alice
09. Chão de Poeira/Cigarro de Palha
10. Chuva do Campo
11. Baquiá

Sá & Guarabyra - Pirão de Peixe Com Pimenta (1977)

Sá & Guarabyra - Pirão de Peixe Com Pimenta (1977)


01. Sobradinho
02. Marimbondo
03. Trem de Pirapora
04. João-Sem-Terra
05. Pirão de Peixe Com Pimenta
06. Coração de Maçã
07. Cinamomo
08. Espanhola
09. Canção dos Piratas
10. Água Corrente

Sá & Guarabyra - Cadernos de Viagem (1975)

Sá & Guarabyra - Cadernos de Viagem (1975)


01. Cadernos de Viagem
02. Dança o Atrevido
03. Muchacha
04. Passo-Preto
05. Lá Vem o Bicho
06. Velho Camalião
07. Xote Correntino
08. Roda o Mundo
09. Ondina Poconé
10. Tarzan dos Cromados
11. O Que Você Quiser
12. Mundo Invisível

Sá & Guarabyra- Nunca (1974)

Sá & Guarabyra- Nunca (1974)


01. As Canções Que Eu Faço
02. Segunda Canção da Estrada
03. Justo Momento
04. São Nicolau
05. Verão Do Cometa
06. Esses Cabides Vazios
07. Nuvens D'água
08. Divina Decadência
09. Voar É Como Passarinho
10. Apreciando A Cidade
11. Terras Do Sul
12. Coisa à Toa

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 5 CD 12: Sambas da Bahia (Batatinha, Riachão e Ederaldo Gentil) - (2001)

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 5 CD 12: Sambas da Bahia (Batatinha, Riachão e Ederaldo Gentil) - (2001)


01 Diplomacia
02 Se Acaso Você Chegasse
03 Risoleta
04 Emília
05 Inventor Do Trabalho
06 Jajá Da Gamboa
07 Toalha Da Saudade
08 Imitação
09 Hora Da Razão
10 Ministro Do Samba
11 Direito De Sambar
12 Bossa E Capoeira
13 In-Lê In-Lá
14 Alô Madrugada
15 Berenketê
16 Barraco
17 Esquece A Tristeza
18 O Ouro E A Madeira
19 Olha A Saia Dela
20 Retrato Da Bahia
21 Eu Sei Que Sou Malandro
22 Eu Não Esqueço Dela
23 A Baleia
24 Sofrer É Natural
25 Cada Macaco No Seu Galho (Cho Chuá)
26 O Rei Do Café
27 Até Amanhã

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 11 Roberto Corrêa (2003)

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 11 Roberto Corrêa (2003)


1- Boi Soberano (Carreirinho/Izaltino Gonçalves de Paula/Pedro Lopes de Oliveira) Interpretes: Roberto Corrêa
2- Perobeira Maria (Roberto Corrêa) Interpretes: Roberto Corrêa  Instrumental
3- Saudades de Matão (Jorge Galati)
Interpretes: Roberto Corrêa  Instrumental
4- Chora Violinha, Chora (Roberto Corrêa/João Baptista Correia) Interpretes: Roberto Corrêa
5- Chora Viola (Tião Carreiro/Lourival dos Santos) Interpretes: Roberto Corrêa
6- Baião Do Pé Rachado (Roberto Corrêa) Interpretes: Roberto Corrêa Instrumental
7- Peleja De Siriema Com Cobra (Roberto Corrêa) Interpretes: Roberto Corrêa
Instrumental
8- Luar do Sertão (João Pernambuco/Catulo da Paixão Cearense) Interpretes: Roberto Corrêa Instrumental

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 6 CD 08: Elton Medeiros (2002)

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 6 CD 08: Elton Medeiros (2002)


01.Pressentimento
02.Rosa de Ouro
03.Clementina, Cadê Você
04.Quatro Crioulos
05.O Sol Nascerá (A Sorrir)
06.Sofreguidão
07.Injúria
08.Cabritada Mal Sucedida
09.Escurinho
10.Meu Bairro
11.Sebastiana
12.A Canoa Virou
13.Sol da Manhã
14.Meu Viver
15.Meu Carnaval
16.Coração de Ouro
17.Folhas No Ar
18.Mascarada - Camisa Branca

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 4 CD 08: Johnny Alf (2001)

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 4 CD 08: Johnny Alf (2001)


01.Rapaz de bem
02.A foggy day
03.Velho realejo
04.Deep heart
05.Escuta
06.Falseta
07.Foi a noite
08.O que é amar
09.Céu e mar
10.Ilusão à toa
11.O morro não tem vez
12.Umbanda
13.Seu Chopin, desculpe
14.Fim de semana em Eldorado
15.Garota da minha idade
16.Eu e a brisa

Sylvinha Araújo - Singles & Raridades

Sylvinha Araújo - Singles & Raridades 


01. 1967 - Jambalaya (On the bayou)
02. 1967 - Vou botar pra quebrar
03. 1967 - Bazaar Charleston
04. 1969 - Você é de morte (Com Eduardo Araújo)
05. 1970 - Canto de reis (com Eduardo Araújo)
06. 1995 - Splish Splash
07. 1995 - Banho de lua
08. 2005 - Datemi un martello (If had a hammer)
09. 1969 - Dudu da nenem, Nenem do dudu (com Eduardo Araújo)
10. 2006 - Deus Noel
11. 2008 - Blackbird (última gravação)
12.     1991 - Biquini de bolinha amarelinha
13. 1970 - Um tipo especial de amor (I'm Gonna Get Married) - com Eduardo Araújo
14. 1975 - Formula 1 de viver
15. 1975 - Meu problema por um sorriso
16. 1975 - Baby (Ask me)
17. 1975 - Homem contra homem
18. 1977 - Algo de novo no ar
19. 1977 - Mesmo em pensamento
20. 1977 - O irreal é você
21. 1977 - Sentindo as flores respirarem
22. 1978 - Noites vazias
23. 1978 - Mãe terra
24. 1973 - Você está aqui
25.   1973 - Baião

Vários - Seleções Favoritas do Público - 1966

Vários - Seleções Favoritas do Público - 1966


01. JOSÉ FRANCISCO – QUE SEJAS BEM FELIZ (Que Te Vaya Bien) (F. Baena / Versão: Clóvis Mello)
02. HEBE CAMARGO – ANDORINHA PRETA (Breno Ferreira)
03. LÉO VAZ – REENCONTRO (Adelino Moreira)
04. THEREZA KURY – ROSAS VERMELHAS PARA UMA DAMA TRISTE (Red Roses For A  Blue Lady)  (Tapper / Brodsky / Versão: Romeo Nunes)
05. AGNALDO TIMÓTEO – RETRATO DO FIM  (Helio Justo / Fernando Costa)
06. MIGUEL ÂNGELO – GOSTO DE TI (José Lopes / Teixeira Filho)
07. FERNANDO LÉLIS – ESTÁ MORRENDO O NOSSO AMOR (Rubens Machado)
08. NEIDE FRAGA – VOU ANDAR POR AÍ (Newton Chaves)
09. ROBERTO LUNA – TRISTEZA DE VOLTAR (Que C’Est Triste Venise) (Dorin / Aznavour / Versão: Giola Junior)
10. AGNALDO TIMÓTEO – TORTURA DE AMOR (Waldick Soriano)
11. ADEMAR SILVA – AMOR FINGIDO (Dorico)
12. CARLOS GONZAGA – PONDEROSA (Nelson Sampaio)

Martinha - Singles & Raridades

Martinha - Singles & Raridades


01. 1975 - Deixe-me chorar
02. 1978 - Eu quero a América do Sul
03. 1985 - Agora, não
04. 1982 - Cama vazia
05. 1972 - Maria Madalena (com Agnaldo Rayol)
06. 1972 - Minha vida
07. 1995 - Nossa canção
08. 1995 - Última canção
09. 1985 - Quatro paredes
10. 1972 - Homem, vida e morte
11. 1973 – Ironia
12. 1973 – Fantasia
13. 1978 – Ele
14. 1986 - Não Conte A Ninguém (com César Augusto)
15. 1986 – Aqui (com Luiz Geraldo)
16. 2000 – Coimbra
17. 2000 - Jogo de damas
18. 1982 - Eu quero ser uma mulher
19. 1996 - pout-pourri (ao vivo)
20. 1996 - Aqui (com Sylvinha – ao vivo)
21. 2005 - Se ela voltar (Com Wanderley Cardoso – ao vivo
22. 2010 - Alô

Giane - Singles & Raridades

Giane - Singles & Raridades


01 - Longe Do Mundo [The End of the World] ..... (Dee - Kent - vs: Fred Jorge) 1965 
02 - Preste atenção [Fais attention] ..... (J.Chauby - Bob du Pac - vs: Paulo Queiroz) 1965
03 - Angelita [Angelita de Anzio] ..... (M.Minerbi - T. Romano - vs: Paulo Queiroz) 1965
04 - Johnny Guitar ..... (Victor Young - Peggy Lee - vs: Julio Nagib) 1965
05 - Meu bem não vá (Mais tu t'en vas) ..... (J.L.Chauby - B. Du Pac - vs: Rossini Pinto) 1968
06 - Poeira ..... (Luiz Bonan - Serafim Colombo Gomes) 1968
07 - Goodbye (Adeus) ..... (John Lennon - Paul Mcartney - vs: Fred Jorge) 1969
08 - Sentada à beira do caminho ..... (Roberto Carlos - Erasmo arlos) 1969
09 - Aqui ..... (Martinha) 1969
10 - Ontem e hoje ..... (Reginaldo Rossi) 1969
11 - Entre o céu e o mar (Je t'ai crue trop vite) ..... (G.Mardel - R.Bernet - vs: Fernando Borges) 1969
12 - Boa noite, meu anjo querido ..... (A.Apollonio "Poly") 1969
13 - Alcance as minhas palavras ..... (Daniel Junior - Romeu Trolezi) 1969
14 - Quem me quiser ..... (Jorge Duarte - Luiz Vieira) 1969
15 - Como dizer adeus (Comment te dire adieu) ..... (Gold - Goland - Gainsbourg - vs: Fred Jorge) 1969
16 - Tão só, também ..... (Severino Filho - Tomca) 1969
17 - Por todos os caminhos (Mi gran amor) ..... (Augusto Algueró - Rafael de Leon - vs: Arnaldo Saccomani) 1972
18 - Viva o amor (No lucky no) ..... (Shapiro - Lombroso - vs: Miguel Vacaro Neto) 1972
19 - Estou triste (Estoy triste) ..... (Manuel Alejandro - Ana Magdalena - vs: Katia Maria) 1973
20 - A mais amada ..... (Martinha) 1973
21 - Meu primeiro amor (Lejania) (com Francisco Petrônio) ..... (H.Gimenez - vs: José Fortuna - Pinheirinho Junior) 1973
22 - India (com Francisco Petrônio) ..... (J.A. Flores - M.O.Guerreiro - vs: José Fortuna) 1973
23 - Estrada do sol (Alle porte del sole) ..... (M.Panzeri - C.Conti - L.Pilat - D.Pace - vs: Tito) 1974
24 - Proposta ..... (Roberto Carlos - Erasmo Carlos) 1974
25 - Onde estão teus olhos lindos (Donde estan tus ojos negros) ..... (Ray Girardo - McRonald Dunhills - vs: Murano) 1978
26 - Diga que sim (Por favor dime que si) ..... (M.Requena - P.Helamn - Alberto Arbizu - vs: Murano) 1978

COLABORE COM O JÓIAS DA MÚSICA

COLABORE COM O JÓIAS DA MÚSICA


Como ajudar o "Jóias da Música" a continuar ativo.

Ajude o Jóias da Música  a permanecer no ar fazendo uma doação. Sua ajuda é muito importante para continuarmos garimpando  o melhor da música de todos os Gêneros, Gostos e Gerações. 

Você pode doar via PagSeguro ou via depósito bancário.


Doar via PagSeguro 

Para fazer sua doação via PagSeguro  basta clicar no botão abaixo. 






Você será direcionado ao PagSeguro onde pode fazer sua doação com toda segurança e com várias  opções como depósito e boleto bancário, por exemplo.

 Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!


Doar via Depósito:




Para doar via depósito, envie um email para: joias.musica@gmail.com solicitando os dados bancários. 
Se preferir solicitar os dados bancários via formulário de contato, clique AQUI
Colaborar com material musical:

Se você quiser enviar algum arquivo musical para o blog, o endereço de email é o mesmo: joias.musica@gmail.com os arquivos podem ser em qualquer formato, desde que contenham capa, e estejam fora de catálogo, ou proveniente de produção independente, e claro, deixe seu nome para o crédito ser dado devidamente.  


*Desde já agradecemos!

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 12: Roberto Luna (2003)

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 12: Roberto Luna (2003)


01 Molambo
02 Porque perdoei
03 Boi da cara preta
04 Meu romance
05 Fascinação
06 Boneca de pano
07 Una mujer
08 Minha casa é meu chapéu
09 Pierrot
10 Flor da Lapa
11 Castigo
12 Por causa de você
13 Número um
14 El reloj
15 Tu me acostumbraste
16 Uno
17 El dia que me quieras
18 Tudo é magnífico

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 10: Renato Borghetti (2003)

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 10: Renato Borghetti (2003)


1. Cumplicidade
2. Merceditas
3. Taquito Militar
4. Milonga para as Missões
5. Valsa do Coroa
6. Sétima do Pontal
7. Café com Canela
8. Bebê
9. Funga-funga no Cangote
10. Pot-Pourri: Pézinho-Balaio-Chula-Cana Verde
11. Hospitaleira Vacaria

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 09: Orlando Silva (2003)

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 09: Orlando Silva (2003)


01- Chuvas de Verão
02- Lágrimas
03- A última estrofe
04- Chora cavaquinho
05- Céu moreno
06- Abre a janela
07- Carinhoso
08- Aos pés da cruz
09- A primeira vez
10- Sertaneja
11- Meu consolo é você
12- A jardineira
13- Mal-me-quer
14- A última canção
15- coqueiro verde
16- Súplica
17- Atire a primeira pedra
18- Nada além
19- Dá-me tuas mãos
20- Número um
21- Meu romance
22- Amigo leal
23- Desespero

Considerado o melhor dos grandes cantores da era do rádio - ao lado de Francisco Alves, Silvio Caldas e Carlos Galhardo -, Orlando Silva teve uma história de glórias e dramas. Seu período de auge durou relativamente pouco: apenas sete anos, de 1935 a 1942. Filho de um violonista e chorão amador, perdeu o pai aos 3 anos de idade, vitimado pela gripe espanhola. Por isso, teve que largar os estudos cedo para trabalhar. Aos 17 anos perdeu parte do pé esquerdo em um acidente de bonde, o que o obrigou a ficar quatro meses hospitalizado com dores horríveis, que só cediam com doses de morfina. Quando se recuperou voltou a trabalhar como cobrador numa linha de ônibus. Costumava cantar para os amigos e vizinhos até que um conhecido o apresentou ao cantor Luiz Barbosa, que o levou para a Rádio Cajuti. Um dia o violonista e compositor Bororó o ouviu e apresentou a Francisco Alves, que gostou do que ouviu. Passou a se apresentar em programas de rádio e em 35 gravou o primeiro disco. No ano seguinte participou de um filme e da inauguração da Rádio Nacional, onde passou a ter seu próprio programa. Foi numa temporada em São Paulo, em que cerca de 10 mil pessoas foram ouvi-lo, que surgiu o apelido "Cantor das Multidões". Em março de 1937 lança o que seria um de seus maiores sucessos: "Lábios que Beijei" (J. Cascata/ L. Azevedo), com o inovador arranjo de cordas feito pelo maestro Radamés Gnattali. Orlando fez também as primeiras gravações de "Carinhoso" (Pixinguinha/ J. de Barro) e "Rosa" (Pixinguinha/ Otávio de Souza). Os sucessos não paravam, e a vendagem dos discos continuava aumentando sempre: "Nada Além" (Custódio Mesquita/ Mário Lago), "Dá-me Tuas Mãos" (Roberto Martins/ M. Lago), "Boêmio" (Ataulfo Alves/ J. Pereira/ O. Portella), "Juramento Falso" (J. Cascata/ Leonel Azevedo), "Deusa do Cassino" (Newton Teixeira/ Torres Homem), "Por Quanto Tempo Ainda" (Joubert de Carvalho), "Naná" (Custódio Mesquita/ Jardel/ Geysa Bôscoli), "Abre a Janela" (Roberto Roberti/ Arlindo Marques Jr), "Curare" (Bororó), "Alegria" (Assis Valente/ Durval Maia), "Aos Pés da Cruz" (Marino Pinto/ José Gonçalves), "A Primeira Vez" (Bide/ Marçal), "Dama do Cabaré" (Noel Rosa). Por volta de 1940 a carreira de Orlando Silva, então no auge da fama, entrou em declínio. Começou a fazer uso freqüente de morfina, tornando-se dependente químico e tendo crises de abstinência quando não podia usar a droga. Em 1942 passou alguns meses afastado dos estúdios, em parte por causa de um problema dentário, em parte porque estava se internando para livrar-se da morfina. Tentando livrar-se de uma dependência, acabou também vitimado por outra, o alcoolismo. Suas cordas vocais não resistiram ao álcool e à morfina, e quando Orlando voltou ao estúdios já não era o mesmo. Entre maio e novembro de 1942, tudo mudou na vida do Cantor das Multidões. Rescindiu seus contratos com a gravadora RCA e mais tarde com a Rádio Nacional, em 1945. Depois disso, o cantor ensaiou diversas "voltas", prosseguindo na carreira com alguns sucessos até o ocaso, apesar de cultuado com devoção por discípulos que vão de João Gilberto a Caetano Veloso.

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 08: Nei Lopes (2003)

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 08: Nei Lopes (2003)


01 Luxuosos transatlânticos
02 Gotas de veneno
03 E eu não fui convidado
04 Gostoso veneno
05 Coisa da antiga
06 Goiabada cascão
07 Tempo de Dondom
08 Baile no Elite
09 Senhora Liberdade

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 07: Nara Leão (2003)

A Música Brasileira Deste Século Por Seus Autores e Intérpretes Vol. 8 CD 07: Nara Leão (2003)


01.Soneto
02.Cantores do rádio
03.Insensatez
04.Preconceito
05.Você e eu
06.Diz que fui poraí
07.A banda
08.Quem te viu quem te vê
09.Com açúcar, com afeto
10.Desafinado
11.Primavera
12.Maria Moita
13.Joana Francesa
14.Quando o carnaval chegar
15.Pra dizer adeus
16.Esse mundo é meu
17.Morena do mar
18.Água de beber
19.Berimbau
20.Deus me perdoe
21.Não me diga adeus
22.Camisa amarela
23.Fez bobagem
24.Tatuagem